É importante explicar ao usuário sobre a necessidade de conhecer bem o teclado para agilizar a navegação na Internet, bem como para fazer um texto mais rapidamente.

Atendendo usuários com Deficiência Auditiva

É importante que, no Telecentro, pelo menos um monitor ou instrutor se comunique em língua de sinais brasileira (LIBRAS), pois se o deficiente auditivo ou surdo a ser atendido for sinalizante, ou seja, se comunicar apenas por meio da língua de sinais, é importante que a comunicação com ele se efetive, preferencialmente, por intermédio da Libras. Caso nenhum monitor ou instrutor do Telecentro, ainda não conheça ou não seja fluente em Língua de sinais, deve-se tentar uma interação por meio de gestos e mímica.Cópia de P1100458 fachada 2008

Uma boa sugestão para o início do contato do deficiente auditivo ou surdo com o Telecentro é o uso do dicionário de LIBRAS on-line, para que ele perceba as potencialidades da informática. Entretanto, é preciso ter o aval do deficiente auditivo ou surdo, pois alguns deficientes auditivos ou surdos oralizados não são receptivos à língua de sinais.

Atendendo usuários com Deficiência Mental

No atendimento aos usuários com deficiência mental, primeiramente, é necessário identificar se o usuário é alfabetizado ou não. Em qualquer atendimento verifica-se o interesse do usuário, pois somente assim o aprendizado de fato acontecerá.

Geralmente, as pessoas com deficiência mental são atendidas inicialmente na sala de fragmentação. É preciso utilizar diversas atividades com esse usuário, como: jogos, reconhecimentos de letras no teclado e na tela do computador, etc.

Para algumas pessoas com deficiência mental é importante impor tarefas e cobrar sua execução, caso contrário, elas podem ficar clicando várias vezes em regiões da tela sem objetivo algum. A proposta de tarefas, sempre respeitando o ritmo e interesse dos usuários, é fundamental, pois, a aprendizagem, dessa forma, torna-se mais satisfatória e prazerosa.

A utilização de jogos tem resultados rápidos, neles são desenvolvidas a autoconfiança quanto ao manuseio do computador e a confiança de quem, efetivamente, concluiu alguma atividade. Os jogos facilitam o reconhecimento de comandos e obtenção de resultados.

A metodologia utilizada aborda conceitos, objetivos e efeitos diferentes. Algumas sugestões de trabalhos que incluem treinamentos:

1 - Com o uso do mouse

• Jogo de associação de imagens: antônimos, direita / esquerda, objetos correlatos (ex: pincel e tinta);

• Jogo da memória: imagens, sons, movimentos, causa e efeito;

• Jogo quebra-cabeça: formação de figuras, partes/todo e a organização do espaço;

• Desenho à mão livre (realizado em todas as aulas): formação de figuras, concepção de cores, formas e objetos.

2- Com o uso do teclado

• Letramento:

o Associação de letras em caixa alta no material concreto, (recortadas em papel) com as letras do visor (em caixa alta), com as letras do teclado que estão sempre em caixa alta.

o Associação de palavras do seu dia-a-dia para facilitar o aprendizado do usuário:

-nomes próprios: do usuário, dos pais, dos irmãos, da instrutora.

-termos das aulas: computador, jogos, teclado, monitor, etc...

3- Com os programas mais utilizados

• Editor de texto;

• Editor de imagens;

• Software Aventuras 2;

• Concept Plus

• Jogos dos sites:

http://www1.uol.com.br/ecokids/jogos.htm

http://www.canalkids.com.br/portal/turmadopipe/index.htm

Atendendo usuários com Múltiplas Deficiências

O Atendimento a uma Pessoa com Deficiências Múltiplas requer do monitor-instrutor o máximo da sua sensibilidade, paciência e perspicácia para descobrir a melhor forma de conseguir a interação do usuário com o computador. Como cada caso tem suas características e dificuldades próprias, a conduta do monitor-instrutor no atendimento a pessoas com Deficiências Múltiplas deve ser maleável, criativa e incentivadora.

Nos primeiros atendimentos é sugerida a prática dos usuários com os acionadores acoplados aos brinquedos. Através deste contato com os acionadores coloridos e grandes, o usuário percebe que basta um toque seu, feito da maneira que for para o brinquedo reagir: seja um robô mexer e produzir som, seja um pequeno ventilador girar. Também é sugerida a interação do usuário com laptops de brinquedo. O importante é que o usuário perceba que basta ele apertar um botão para que o objeto funcione. Esta etapa é importante para, que quando o usuário estiver na frente de um computador, ele perceba que um único toque ou aperto numa tecla ou clique no mouse tem uma função muito importante na resposta da máquina.